terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Gerardo Martino é o novo treinador do Newell's


Após ter deixado a seleção paraguaia, Gerardo Martino estava com um pé na seleção colombiana, porém, houve uma reviravolta total e tomando uma decisão de cunho pessoal, o treinador acabou por definir seu novo emprego na Argentina, onde treinará a equipe do Newell's Old Boys.

Martino, que tem 49 anos e foi um meio-campista de expressão, busca se reafirmar no cenário do futebol sul-americano após ter colecionados bons resultados frente a seleção do Paraguai, cargo que deixou após a Copa América desse ano. Sua ida para seleção colombiana já estava praticamente selada, contudo, houve esta enorme mudança que surpreendeu a todos.

No Newell's, o treinador retorna ao clube que obteve maior sucesso quando era jogador e por onde ficou por 15 anos, somando todas as três passagens que teve no clube. Isto só ressalta que a opção pelo clube argentino, onde é ídolo, vem a ser levada muito mais pelo lado pessoal do que pelo financeiro.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Desmanche no Racing?

Simeone se foi. E Teo?
O campeonato foi mediano. Simeone pecou em ser muito defensivo como gosta de ser desde quando atuava, enquanto o Racing tinha um grande poderio ofensivo. O Racing acabou o Apertura com 11 empates, o que atrapalhou a busca do título e da Libertadores. Agora, após o fim do campeonato, as consequências.

A começar por Diego Simeone. Nunca sendo unanimidade entre os hinchas da Academia, Cholo Simeone conversou com o novo presidente da Academia, Gastón Cogorno, e acabou pedindo demissão. Menos de 24 horas depois, o presidente do Atlético de Madrid, clube que Diego atuou como volante por 5 anos, falou que ele é a primeira opção.

Basile é o favorito da torcida
(Foto: Olé)
A dupla de colombianos que não se acertou com Simeone no comandou pode, também, estar deixando o Cilindro. Giovanni Moreno recebeu ótima proposta do Santos Laguna e Teo Gutiérrez, segundo relato de Simeone, já "limpou" o seu local no vestiário e estaria de saída do clube. Para aonde? Ninguém sabe. Certo é que Gastón Cogorno assumiu que precisava vender um jogador para quitar as dívidas logo que assumiu a presidência, semana passada.

Agora os noticiários viram em torno do novo comandante Albiceleste. Cogorno já falou que quer um técnico ofensivo o que, ao meu ver, está correto pelas características do time do Racing. A preferência da torcida é de Alfio Basile que foi campeão Mundial com o Racing em 1967. O novo presidente disse que as opções além de Coco Basile são Edgardo Bauza, Gerardo Martino e Osvaldo Ardiles.

sábado, 17 de dezembro de 2011

David Trezeguet é o novo reforço do River Plate


Jogando a B Nacional e correndo atrás para voltar a elite do futebol, o River Plate anunciou a grande contratação do experiente atacante David Trezeguet, que estava nos Emirados Arábes. Com 34 anos, o jogador é francês porém tem família argentina.

Na última quinta-feira (15), o francês que marcou época no futebol italiano visitou o Monumental de Nuñez acompanhado do presidente do River, Daniel Passarella, e já realizou exames médicos em uma clínica médica.

Nesta segunda-feira (19), Trezeguet deve assinar contrato com os Milionarios. O vínculo terá duração de 2 anos e meio, com a opção de renovação por mais um.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

O que teremos em 2012?

19 rodadas, 190 jogos e apenas um clube apresentou um bom futebol. O Boca Juniors voltou e já falamos demais dele no Blog. É o momento de ser apresentada uma geral do clubes. Quem está na Libertadores? E os grupos? Na Sul-Americana?

O Boca, se manter o ritmo, é um dos
favoritos à Libertadores 2012
Na Argentina a classificação para a Libertadores é um pouco diferente dos demais países. Os dois campeões tem vagas. São eles Vélez, campeão do Clausura no primeiro semestre, e o Boca Juniors, campeão do Apertura. Após, os 2 times com melhor campanha na temporada tirando os campeões. Lanús é o 1º e o Godoy Cruz, com muito esforço, conseguiu a 2ª vaga e irá disputar a sua segunda Copa Libertadores na história. A primeira foi nesse ano. A 5ª vaga destinada a Argentina ficará com o Arsenal de Sarandí, pois foi o melhor argentino classificado na Sul-Americana. Algo pífio no regulamento da AFA, pois o Arse não fez por merecer a vaga.

Sobrou a Sul-Americana para
os dois clubes de Avellaneda
O critério para classificar as equipes para a Copa Sul-Americana é mais válida e comum. Como no Brasil, os melhor classificados com exceção aos classificados da Libertadores. A Argentina tem para si 6 vagas, duas a menos que o Brasil. As vagas ficaram com os dois times de Avellaneda, Racing e Independiente, Tigre, Argentinos Juniors e o Campeão da Copa Argentina11/12. A 6ª vaga ficará com o Colón se o Arsenal passar pelo Sport Huancayo/PER na Pré-Libertadores e entrar na fase de grupos.

Vai ter que ser na pressão, San Lorenzo
A situação do descenso é muito complicada. Ainda existem 19 rodadas em jogo. O que sabemos é que o Tigre fez um bom Apertura e, se manter o ritmo, tem grandes chances de fugir. As duas equipes que estariam na Promoción seriam All Boys (1.262) e San Lorenzo (1.242), este um clube tradicional da Argentina. Os dois que seriam rebaixados diretamente seriam o Tigre (1.147) e Olimpo (1.122). Lembrando que o que está nos parênteses é a média pontos/jogos, a qual define os rebaixados.

Abaixo os grupos com clubes argentinos na Libertadores 2012:


Grupo 2:                                  
                                                         
Paraguai 1                                  
Equador 2
Lanús

Flamengo - BRA / Real Potosí -BOL


Grupo 4: 
Boca Juniors
Zamora - VEN
Fluminense - BRA
Arsenal de Sarandí Sport Huancayo-PER



Grupo 7:
Vélez Sársfield
Equador 1
Defensor Sporting - URU
Chivas Guadalajara - MEX



Grupo 8:
Universidad de Chile - CHI
Atlético Nacional - COL
Godoy Cruz

Peñarol -URU / Caracas - VEN




Tevez. Próxima parada: Buenos Aires?

 Muito se especula sobre um provável destino para o atacante Tevez. Já se falou em Milan, Chelsea, Real Madrid, mas nenhum desses parece fazer a cabeça do argentino. Segundo suas próprias palavras, seu destino mais próximo é o Boca Juniors. Para realizar esse sonho, ele se propõe a deixar dinheiro de lado, além da vida altamente "confortável" no continente europeu. Atualmente encostado no Manchester City, Tevez afirmou não querer mais retornar a Inglaterra.

Os dirigentes do City já aceitam a hipótese de emprestá-lo ao time argentino, com contrato de duração se encerrando em seis meses. Após o término do vínculo, o time inglês pedirá um valor altíssimo ao Boca manter o jogador em seu clube do coração. Como a chance do Boca bancar a contratação é pequena, é provável que Carlitos acabe retornando a europa, mas sendo vendido a outro time do continente.

Carlitos já venceu a libertadores de 2003. Um ano mais tarde, conquistou a Copa sul-americana, ambos os títulos sendo protagonista, e ambos pelo Boca Juniors. Ídolo no país natal, foi idolatrado pelos Corinthianos, mesmo ficando apenas dois anos (2005 e 2006) no Brasil. Na europa atuou por West Ham, Manchester United e Manchester City, tendo saído de forma conturbada nos dois últimos.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Boca vence All Boys e fecha o Apertura invicto


Por: Felipe Ferreira (@felipepf13)

Após ter sido campeão do Apertura em 1998 de maneira invicta, o Boca Juniors correu atrás de repetir o feito neste ano. Com o título já garantido, restava segurar invencibilidade e a equipe não decepcionou. Jogando em La Bombonera, a equipe xeneize não decepcionou e venceu o All Boys por 1 a 0, gol de Cvitanich.

Com Martín Palermo nas tribunas do estádio, os jogadores entraram em campo antes da partida ter início e, juntamente com seus familiares, deram a volta olímpica para festa dos torcedores que lotaram o místico de Bombonera.

Impulsionado por sua fanática torcida, o Boca começou se movimentando muito bem e trabalhando a bola, o que acabou por ocasionar boas oportunidades. Porém, o ímpeto inicial dos mandantes teve fim, a equipe se cansou e o All Boys equilibrou a partida e viu o time xeneize encontrar dificuldades para a forte defesa dos visitantes, que não deixaram de criar algumas boas oportunidades no ataque.

No segundo tempo, a situação foi pouco diferente. O clube de La Bombonera tentava impor um ritmo mais intenso de jogo e abir o marcador, enquanto El Albo buscava se segurar na defesa e tentar surpreender em um contra-ataque. Porém, água mole em pedra dura tanto bate até que fura, e, aos 34 minutos da etapa final, Erviti cruzou e Cvitanich tocou de cabeça para marcar o único gol da partida.

O gol só serviu para aumentar ainda mais a festa dos torcedores que já estavam êxtase, já que, aos 29 do segundo tempo, Battaglia entrou em campo para sacramentar seu 17° título com a camisa do Boca, tornando-se assim, o jogador que mais ganhou títulos com a camisa da equipe.

E a partida ficou nisso. Vitória suada do Boca por 1 a 0, o que acabou por sacramentar um brilhante campeonato, o qual culminou em título, campanha invicta e apenas 6 gols sofridos pela equipe de Julio Cesar Falcioni, recorde absoluto.

River Plate vence e termina ano na zona de acesso direto

 Depois de ficar três partidas sem vencer em casa, o River Plate conseguiu novamente fazer valer o fator Monumental de Nuñez, batendo o Patronato por 1-0, gol do uruguaio Carlos Sánchez. Esse resultado serviu para que os Millionarios terminassem nas posições que lhe garantem o retorno a primeira divisão (mesmo que momentaneamente).

Controlando o jogo todo, o River Plate poderia ter feito um placar ainda mais elástico, entretanto, não conseguiu traduzir tamanho domínio em gols. Alejandro Dominguez foi o jogador mais envolvente em campo, levando vantagem sobre a defesa adversária na maioria dos lances. Um pouco mais a frente, Cavenaghi e Funes Mori encontravam mais dificuldades, até pela forte marcação adversária.

Dominguez começou o jogo criando problemas para a defesa do Patronato, e em uma jogada sua pela ponta direita, Ocampos quase abriu o placar após um toque de cabeça. Aos 41 minutos, Cavenaghi chutou forte, obrigando o goleiro Sebastian Bértoli a praticar boa defesa. Do lado adversário, destaque para Emanuel Urresti, que concluiu mal a única chance de fato dos visitantes no jogo.

No segundo tempo, a entrada de "Maestrico" González ajudou na retenção de bola e organização de jogo, mas quem começou assustando foi o Patronato. Jara acertou a trave ao tentar encobrir Chichizola, e no rebote o chute de Casado foi sobre o gol. Aos 25 minutos, o gol da vitória. Uma falha da defesa permitiu que Sánchez, dentro da área, aproveitasse uma sobra de bola e emendasse para o fundo das redes.

Apesar da pressão pelo segundo gol, o jogo terminou 1-0. Magrinho, sofrido, mas importantíssimo. O resultado serviu para deixar o River Plate na segunda posição, apenas dois pontos atrás do Instituto de Córdoba. Matías Almeyda comemorou a vantagem de estar na zona de acesso direto, mas deixou claro que o time tem muito a melhorar, especialmente nos jogos em casa.

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

O Boca Juniors campeão argentino


Com duas rodadas de antecedência osXeneizes tiveram o prazer de se sagrarem campeões do Apertura de 2011 em plena La Bombonera. Justo, tendo em conta que o time nesses 17 jogos venceu 11 vezes, empatando outras seis e sem perder sequer um jogo, o que lhes concedeu um aproveitamento espetacular de 76%. O ataque não marcou tantos gols (22), no entanto a defesa desequilibrou, onde tomou apenas quatro gols.
Falcioni fez o simples neste Apertura. Não ousou, não inventou, e soube tirar o melhor de seus jogadores, inclusive dos veteranos Schiavi e Clemente Rodríguez, onde ambos participaram de todos os 17 jogos.
Utilizando-se de um esquema bastante ordinário na Argentina, o 4-3-1-2, com uma solidez defensiva incrível, um verdadeiro paredão, que apenas quatro clubes conseguiram “furar” (San Lorenzo, Lanús, Atlético Rafaela e Godoy Cruz).
Como já falado, a defesa é o ponto forte deste Boca comandado por Falcioni. A dupla de zaga mostra um bom entrosamento, aliado a um bom posicionamento que compensa a lentidão, Schiavi e Insaurralde ainda são protegidos por Somoza, que apesar de muito faltoso (foram nove amarelos em 15 jogos), raramente deixa-os sem a devida proteção; nas laterais, Roncaglia é como um lateral-base, sobe muito pouco, no entanto na esquerda, Clemente Rodríguez apóia bastante, sendo um dos pontos fortes do ataque xeneize.
No meio campo, além de Somoza, Rivero e Erviti também dão suporte defensivo, auxiliando os laterais na marcação e acelerando a saída de bola, há também Colazo, que quase sempre entra no segundo tempo no lugar do camisa 11, como se fosse um 13º jogadores, já que segundo a própria torcida são o 12º. À frente desse trivote, há o “cérebro” do time, Juan Román Riquelme. O lendário camisa 10 apesar de não ter a mesma condição física de tempos atrás, continua com a mesma técnica que o consagrou, é verdade que sofreu com as lesões neste campeonato, mas enquanto esteve em campo, foi essencial. Como Riquelme nem sempre está 100%, Chávez costuma ser o seu substituto, e o faz com muita competência, logicamente que não tem a mesma visão de jogo, mas é ágil e sabe deixar seus companheiros em boas condições para fazer o gol.
À frente, talvez o único problema do Boca. A falta de gols, apenas 22, e não é por falta de bons nomes. Viatri é o sucessor de Palermo, tem as mesmas características, porém quando vinha em uma boa fase acabou se lesionando; o outro jogador é Mouche, um atacante mais de movimentação, driblador, que sabe aproveitar os espaços concedidos pelas defesas adversárias, porém não contribui com gols; Cvitanich também tem decepcionado, tendo marcado apenas quatro gols (dois deles contra o Banfield, jogo que deu o título ao Boca), mas apesar disso é um bom jogador e consegue ser decisivo; ainda há o jovem Blandi, o artilheiro do time neste Apertura junto com Cvitanich, é uma aposta ainda, mas surpreendeu à muitos enquanto esteve em campo. Os atacantes xeneize não marcaram tanto, porém foram decisivos, o que é essencial para jogadores deste setor.
Resumindo, apesar de não ser mais aquele time sensacional de tempos atrás que ganhava tudo na Argentina e América do Sul, este Boca de Falcioni não só pode, como dará muito trabalho na Libertadores do próximo ano, devido a sua solidez defensiva e o contra-ataque (quase sempre) mortal.


Por Arthur Barcelos ( http://twitter.com/ArthurBarcelos_ ). Postado originalmente no A Prancheta (http://a-prancheta.com/ ) 
Ilustração: TaticalPad ( http://taticalpad.com )

domingo, 4 de dezembro de 2011

Apesar de boa atuação, River é derrotado na B Nacional


A vida do River Plate na segunda divisão do futebol argentino segue não sendo das mais fáceis, ontem, jogando fora de casa, a equipe até que jogou bem, porém, acabou sendo derrotada por um time homônimo de seu maior rival: o Boca Unidos, que venceu por 1 a 0, com um gol nos instantes finais do jogo.

Em meio a um clima tenso com diversos objetos sendo arremessados em campo, o árbitro acabou por interromper a partida por diversas vezes na etapa inicial, que viu um Boca Unidos melhor nos primeiros minutos, porém, o River acordou na metade do primeiro segmento de jogo e conseguiu criar algumas boas oportunidades, no entanto, o que prevaleceu foi uma partida morna e em aberto.

O segundo tempo seguiu com a partida apresentando certa calma calmaria em relação as investidas ofensivas, contudo, já era mais que notório a postura agressiva adotada pelo River Plate, mas, o time da casa não decepcionou e chegou a levar perigo por algumas vezes, assim como os visitantes, que ditavam o ritmo do jogo. Quando o empate já parecia ser o resultado final, o goleiro Chichizola falhou, deixando Nuñez com o gol vazio e assim determinar a vitória do Boca, que segue na zona da Promoción, assim como o River.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Vélez perde e está fora da Sul-Americana

Reasco, Barcos e Hidalgo comemoram o gol da classificação.
(Foto: OPovo)

A principal competição do segundo semestre, a qual Gareca enfatizava muito, não tem mais o Vélez como participante. Depois de perder na altitude de Quito por 2 a 0, o Vélez teve de buscar o resultado, mas acabou sendo derrotado novamente.

O Vélez começou atacando e mostrava que queria abrir o placar nos primeiros 15 minutos para trazer a sua torcida pro jogo. Mas a principal chances veio aos 19 minutos. Após cruzamento de Augusto Fernández, Guille Franco chegou de carrinho e Domínguez, goleiro da LDU e figura da partida, salvou espetacularmente. A LDU se assanhava aos poucos, principalmente com Equi González que caia pelas pontas e Barcos era a referencia dentro da área.

O Vélez entrou sonolento no segundo tempo e a LDU abriu o placar aos 3 minutos. Reasco cruzou, Sebá furou e o matador Barcos girou e mandou para as redes. O time Fortinero sofreu um baque grande, pois agora deveria fazer 4 gols para se classificar. Mas a torcida permanecia intacta, da mesma forma do início do jogo, como se fosse o Vélez o ganhador. Continua pressionando mais por honrar a camisa do clube do que pela classificação, mas abria espaços para Los Albos que teve a chance de ampliar com Gámez que perdeu uma grande oportunidade.

Nenhuma argentino nem brasileiro na final da Sul-Americana 2011. Bem diferente do ano passado onde Independiente e Goiás se enfrentaram. A final deste ano é Universidad de Chile que eliminou o Vasco contra a LDU que tem a altitude ao seu favor. Ao Vélez resta se reforçar para o próximo ano já que não supriu, a altura, as vendas do timaço do primeiro semestre. Santiago Silva, Maxi Morález e Ricky Alvarez se foram. Ninguém chegou.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Boca vence Godoy Cruz e está a um ponto do título

Cvitanich marcou e foi para a galera
(Foto: Olé)

A legítima vitória de campeão. O Boca foi a Mendoza e bateu o Godoy Cruz com um time consistente atrás e que chegava, em contra-ataques, na frente. Acabou com o tabu de 6 jogos sem vencer o Tombo e somou a sua 26ª partida sem saber o que é derrota.

E, como poucas vezes no ano, o Boca começou atrás respeitando o adversário que tem vaga quase garantida na Libertadores 2012 pela bela campanha do Clausura passado e desse Apertura. Assim os xeneizes abriram o placar. Chávez puxou o contra-ataque, abriu para Rivero que chutou cruzado. No segundo pau Cvitanich, substituindo Blandi, colocou para as redes.O Tomba se abriu e, novamente em um contra-ataque, desta vez puxado por Clemente Rodríguez aos 36 minutos, o Boca marcou. Cvitanich sofreu pênalti e Schiavi bateu, se tornando o jogador mais velho a marcar um gol com a camisa do Boca.

Para a maioria da torcida, o "MVP" do Campeonato
(Foto: Olé)
No Intervalo, o técnico do Tomba colocou Cooper e Cabrera, tentando abrir o jogo para as laterais, já que os dois jogaram como alas. O jogo estava lento e o Boca gostava até Rojas pegar uma bola rebatida de fora da área e soltar a sua canhota. A bola explodiu na travessão e quicou dentro do gol, deixando o jogo mais emocionante. Após, o Godoy Cruz tentou o empate, mas foi só na base do abafa, nada sendo criado com calma.

Com a vitória o Boca só precisa de um ponto nas próximas rodadas, além de ver o Tigre, surpresa desse Apertura, vencer as três. Já o Godoy Cruz faz um final de campeonato para garantir a sua vaga na Libertadores 2012 que é levemente ameaçada pelos dois principais times de Avellaneda, Racing e Independiente.

domingo, 27 de novembro de 2011

River tropeça em casa, novamente


O River Plate buscava tirar a "maldição de Núñez" e buscava um triunfo após muito tempo em seu estádio, para isso, precisava bater o forte e tradicional Rosario Central, de boa campanha na B Nacional.

Chori Dominguez disputando bolo. Foto: Dyn.
Os mandantes começaram em cima, criando oportunidades, com El Chori Dominguez em uma jornada muito boa, os comandados de Matías Almeyda fizeram 25 minutos de excelente futebol e boas chances criadas, porém o gol não veio e aí os visitantes começaram a endurecer o jogo, primeiro encaixando a marcação e, depois fortalecendo as jogadas pelos flancos e colocando a bola no travessão de Chichizola ao 40 minutos da etapa complementar. Final de um primeiro tempo onde Los Canallas foram melhores.

Os visitantes saíram na frente. Foto: Olé
O segundo tempo nem bem começou e os visitantes já abriram o placar, após bombardeio, a bola sobrou para Martín Rivero, que teve calma para achar Castillejos, que matador como ele, não perdeu a oportunidade de por o 1 a 0 no placar. O River não se abateu, necessitava do empate, ao menos, e foi para o ataque, apoiado no inspirado Chori Dominguez e na promessa Lucas Ocampos, ambos deixaram a zaga do Rosario confusa. Aos 32 minutos, Dominguez "achou" um lindo passe para Cavenaghi, em fase espetacular, o artilheiro máximo da B Nacional, bateu por baixo do goleiro para a alegria efusiva dos torcedores do Millo. O River tentou, batalhou, buscou o gol da virada, mas o máximo que conseguiu foi atingir a trave do goleiro Broun, no último minuto de jogo.

Cavenaghi guardou mais um. Foto: Olé.
Com o empate, o River Plate assumiu a liderança, provisoriamente, espera um tropeço do Instituto de Córdoba que joga nesta segunda-feira, já o Rosario Central fica na terceira colocação. No próximo fim de semana, o River joga contra o quarto colocado Boca Unidos fora de casa, já o time de Rosario recebe a equipe do Patronato.

sábado, 26 de novembro de 2011

Vélez volta à Argentina com derrota para a LDU

Barcos marcou os segundo gol dos equatorianos
(Foto: Olé) 

O empate desejado ou até uma vitória frustaram os planos de Gareca. O Vélez foi com uma proposta de pressionar a saída da LDU, mas deixava muito espaço na frente da sua área para, principalmente, Ezequiel González que acabou com o jogo.

A altitude teve uma porcentagem na vitória de Los Albos também. O clube de Quito arriscou muito de fora da área obrigando Barovero, melhor goleiro na Argentina juntamente com Orión, a trabalhar. O Vélez tentava armar contragolpes, mas sentia a falta de David Ramírez para armá-los e Juan Manuel Martínez para ser a válvula de escape. Os dois estavam fora por lesão. As poucas chegadas do Vélez eram com Papa na esquerda e Augusto Fernández pela direita, sendo eles os únicos que se salvaram além de Barovero.

A LDU começou o segundo tempo pressionando o Vélez e o resultado chegou logo. Aos 3 minutos, Ezequiel González experimentou de fora da área, a bola desviou em Barcos e enganou Barovero. O Vélez reagiu e pressionou por aproximadamente 15, mas a altitude pesou. Equi González colocou na trave aos 36 minutos e, dois minutos depois, deixou Barcos na cara do gol para ampliar. 2  a 0 e fim de festa equatoriana.

A revanche tem data marcada. Terça-feira, 29/11 os fortineiros têm que vencer por, no mínimo dois gols de diferença. Se tivermos 2 a 0 para o Vélez, a decisão será nos pênaltis. Uma derrota por um gol e um empate deixam a LDU com a vaga na final.


terça-feira, 22 de novembro de 2011

Boca Juniors 0 x 0 Racing Club: falta de pontaria volta a atrapalhar os xeneize


Em um jogo movimentadíssimo e quente na Bombonera (novidade?), o Boca Juniors voltou a empatar sem gols (0×0 com o Vélez) e “adiou” o título do Apertura 2011, onde atualmente lidera com 33 pontos, oito à frente do segundo (Racing Club), e faltam apenas quatro jogos.
A falta de pontaria voltou a ser o problema do Boca Juniors de Falcioni. Incrível a quantidade de gols que tem perdido osxeneize nos últimos jogos. Contra o Vélez, a era a de que faltava um homem de área, ou que pelo menos pudesse cumprir tal função sem dificuldades. Mas contra o Racing, Blandi e Cvitanich estavam disponíveis, e ambos participaram do jogo. Porém não fizeram como mandado, e além disso, contaram com um Mouche um tanto que apagado (se comparado a outros jogos).
Se a falta de pontaria era o problema do Boca, a falta de criação era o problema do time de Avellaneda. Falcioni certamente sabendo da categoria de Gio Moreno, reforço a marcação no colombiano, com Somoza, sendo auxiliado ou por Erviti, ou por Rivero. Resultado, uma finalização apenas. Aliás, essa única finalização foi originada num passe do camisa 10 da Academia, para o ágil Hauche, que aproveitou o espaço entre Insaurralde e Clemente Rodríguez, e por pouco não marcou o gol Talvez seja este o único problema defensivo do atual Boca Juniors.
Times no costumeiro 4-3-1-2. O Boca, jogando em casa, com um domínio maior, não só das chances de gol, bem como da posse de bola. O Racing é que nas poucas vezes que conseguiu encaixar um ataque bem organizado, apresentou uma variação tática, 4-3-1-2 → 4-2-3-1: Castro, um meia-extremo que joga mais recuado, naturalmente tendia a avançar pela esquerda, se alinhando a Moreno e Hauche. Mesmo com a variação, não obtiveram sucesso.
Na volta do intervalo, quando os times ainda se reorganizavam taticamente em campo, Pelletieri num lance bobo, acabou levando o segundo amarelo, consequentemente, foi expulso. Com um a menos, Simeone sacou o apagado Moreno para a entrada de outro volante, Toranzo. Enquanto Falcioni também fez suas mudanças: Cvitanich e Colazo nos lugares de Blandi e Erviti. Manteve o 4-3-1-2, e passou a forçar ainda mais nas jogadas pelo flanco esquerdo, com Clemente Rodríguez, Colazo e Mouche.
Com um a mais, Boca continuava a dominar o jogo, porém continuava pecando nas finalizações. Já o Racing na base dos contra-ataques, conseguiu ainda levar perigo, com Hauche e Pillud na direita. E num lance em que Gutiérrez ganha na velocidade de Schiavi e fica cara a cara com Orión, o atacante da Academia optou por tentar enganar o árbitro e se jogou. Como ele nada marcou, o atacante foi para cima e acabou levando o segundo amarelo, sendo expulso. Simeone foi a loucura.
Assim, o técnico sacou Castro, promovendo a entrada de Espinoza, também volante. Logicamente, o Boca se mandou para frente, e Falcioni colocou mais um atacante, Sergio Araújo, no lugar de Rivero. Com isso, passou para o 4-2-1-3, na base da sorte conseguir o gol. Sem sucesso.
Faltando apenas quatro jogos para o fim do Apertura 2011, dependendo dos resultados, Boca Juniors pode garantir o título de campeão e a vaga na Libertadores. É bom os clubes brasileiros ficarem de olho nos xeneize!


Por Arthur Barcelos ( http://twitter.com/ArthurBarcelos_ ). Postado originalmente no A Prancheta (http://a-prancheta.com/ ) 
Ilustração: TaticalPad ( http://taticalpad.com )

domingo, 20 de novembro de 2011

Em dia inspirado, Saja faz Racing parar Boca

O homem que parou o Boca
(Foto: Olé)

O duelo valia a emoção na sequência do campeonato. Uma vitória xeneize deixaria a diferença em 11 pontos para o próprio Racing, vice-líder, praticamente dando o título ao Boca. Uma vitória de La Academia deixaria a diferença em 5 pontos, com chances de chegar no Boca. O duelo também eram dos dois maiores times com invencibilidade. O Boca com 24 jogos (13V e 11E), já o Racing com 14 (5V e 9E).

As duas equipes chegaram na partida com o que tinham melhor e, finalmente, Simeone conseguir escalar os seus 11 titulares. Com um 4-1-3-2 endo Castro como titular ao lado de Moreno e Toranzo no banco, deixando o time muito ofensivo. O Boca jogou normalmente com o seu trio ofensivo sendo totalmente reserva: Chávez, Mouche e Blandi.

O Boca começou melhor, mas logo o Racing foi se aventurando em contragolpes guiados pelo mestre Gio Moreno que teve claramente marcação especial de Somoza. Logo, o Boca criava e finaliza mal. Já o Racing criava pouco. Saja fazia defesas espetaculares, principalmente em duas cabeçadas de Blandi que jogava entre Martínez e Cahais, zagueiros do Racing.

O segundo tempo do Racing foi comprometido por Pelletieri que, logo aos 4 minutos, chegou forte em Mouche e recebeu o segundo amarelo. Outro fato péssimo para a partida foi a lesão de Gio Moreno que teve Toranzo como substituto. O Racing assim se fechou com um a menos, especialidade de Simeone que era volante. Até que o ditado "está ruim? pode piorar" foi colocado em prática. Teófilo Gutiérrez se enroscou na área com Roncaglia e peitou o árbitro por não ter marcado pênalti. Racing com 9 graças a Teo. Para La Academia o empate era o mesmo que a derrota já que as pretensões eram grandes (Libertadores e título). Mas o time, com dois a menos, só chegava em bolas paradas. Lá atrás 8 guerreiros, sendo Saja o maior. Na frente o garoto Viola enfrentava toda a defesa do Boca. Mas nada feito.

O antigo espírito de Simeone esteve presente
nos jogadores do Racing.
(Foto: Olé)
O Boca, com esse empate, está "com uma mão e três dedos na taça" como disse nosso colunista Renato Senna. Ao Racing só um milagre de Libertadores e de título. Mas a torcida pode ter certeza, um time de guerreiros ela tem. E isso foi visto hoje. O time, com dois a menos, segurou o melhor time atual disparado na Argentina, o Boca Juniors.

sábado, 19 de novembro de 2011

River consegue a recuperação na Patagônia

Um destino inóspito para o futebol da primeira divisão, que o River Plate estava acostumado a jogar. Lá no sul da Argentina os comandados de Matías Almeyda teriam que virar a mesa e voltar a vencer, após um derrota em casa na última rodada. O jogo valia também a retomada, mesmo que provisoriamente, da liderança da B Nacional.

Torcida do River se fez presente na Patagônia. Foto: Olé.
O começo do jogo não foi fácil para El Millo, tomando muita pressão dos donos da casa, Chichizola teve que trabalhar muito, em especial numa boa combinação em que Gimenez cabeceou para um milagre do goleiro do River, mas a jogada já fora parada por impedimento. O jogo ficou calmo, até que aos 35, Alejandro Dominguez cobrou um mini-escanteio e Ocampos subiu mais alto que todo mundo para decretar o primeiro gol do jogo.

Cavenaghi marcou mais dois hoje. Foto: Telam
Na volta do segundo tempo, não deu tempo nem de piscar, Ocampos aos trancos e barrancos conseguiu cabecear pro meio da área e Dominguez entrou sozinho com o goleiro do Guillermo Brown, El Chori só teve o trabalho de finalizar, 2 a 0 com 20 segundos. Os mandantes nem bem se recuperaram e aos 11 minutos, Chori bateu e no rebote Cavenaghi, no lugar onde o matador deve estar, fez o terceiro. O quarto veio aos 33, recebeu, limpou para a perna direita e deu um belo chute no canto direito de Pereyra. Agora Cavegol tem 12 gols e é o artilheiro máximo do certame. Aos 43 Bottino fez o gol de honra cobrando pênalti.

O River receberá a Central no próximo final de semana, e o Guillermo Brown receberá o Boca Unidos.

Arsenal é eliminado da Sul-Americana com goleada



O sonho do bi se foi. O Arsenal de Sarandí sonhava com o segundo título da Copa Sul-Americana, mas realmente o sonho era distante. A equipe é irregular, além de ter enfrentado o Universidad do Chile que, ao meu ver, é o favorito ao título.

Como o Arsenal perdeu a primeira partida em casa por 2 a 1, saiu buscando o primeiro gol. Porém o bom início foi freado com um gol da La U. Aos 10 minutos, após chute desviado, a bola sobrou para Vargas que abriu o placar. O bandeirinha anulou, mas, segundo após, validou o gol chileno. Provocando muita reclamação argentina. O Arsenal começou a atacar mais agressivamente, correndo mais riscos. Até que aos 45 minutos, Vargas puxou contra-ataque, rolou para o meio e Castro completou para as redes, praticamente acabando com o jogo.

O mais otimista torcedor do Arsenal viu a sua equipe eliminada aos 10 minutos. Após Campestrini sair do gol salvar no carrinho, Adrián González, ex-São Paulo, entregou a bola bisonhamente para Canales que só colocou nas redes, ampliando o placar. O resto do jogo foi só a espera para o fim, além de substituições para poupar os jogadores das duas equipes.

O Arsenal agora se foca no Apertura já que faz campanha muito irregular. La U continua dando mais importância para essa Sul-Americana, pegando agora o Vasco nas semifinais. É Arsenal, em 2007 poucos davam o devido valor para a Sul-Americana, hoje as coisas mudaram. Para ganhar deve ter um time, no mínimo, organizado.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Com show de Messi e Aguero, Argentina bate Colombia de virada

Messi e Aguero, os dois mudaram o jogo no segundo tempo
(Foto: Olé)

O enredo estava armado. O calor de Barranquilla. A Argentina chegando no jogo com um empate em casa com a fraca Bolívia, enquanto a Colombia vinha invicta com uma vitória e um empate. A Argentina jogou com uma escalação defensiva com a entrada de Guiñazú, Sosa e Braña nos lugares de Pastore, Ricky Alvarez e Gago. Já a Colômbia Teófilo Gutiérrez, que faz ótima temporada no Racing, foi substituído pelo Ramos.

O primeiro tempo foi amplamente dominado pela Colombia. A Argentina não conseguia criar sendo que, dos 4 integrantes do meio-campo, 3 tem grandes características defensivas, deixando Sosa sobrecarregado na criação com Messi. Além de não criar, a Argentina não conseguia parar a Colombia. E, aos 44 minutos, cobrou falta rasteira, a bola desviou Mascherano e matou Romero da jogada.

A mudança da Argentina no segundo tempo tem méritos de Sabella. No intervalo, Pachorra sacou o nervoso Guiñazú e colocou Aguero que só poderia jogar 45 por lesão, colocando Kun na linha de armação com Messi. Assim, a defesa Colombiana se dividia para marcar Aguero e Messi, deixando La Pulga com liberdade. Até que, aos 15 minutos, Messi abriu para Sosa que, da esquerda, bateu cruzado. Ospina rebateu nos pés de Messi que só teve o trabalho de colocar paras redes.
Posicionamento de Messi e Aguero
no 2º tempo 

Com o gol, a Argentina havia tomado conta do jogo e parecia jogar em casa, enquanto a Colombia estava perdida. Além de cair no seu próprio veneno. O horário da partida foi o do horário de pico de calor, mas foram os jogadores colombianos que sentiram o preparo físico no segundo tempo. Aos 39, Messi roubou bola no meio e a conduziu, abrindo na esquerda para Higuaín que fuzilou. Ospina fez grande defesa, mas rebateu novamente nos pés de um atacante hermano. Dessa vez, Aguero colocou para as redes, tirando o grito engasgado da garganta de 40 milhões de argentinos.

Agora a Argentina só volta a campo pelas Eliminatórias em Junho de 2012. Com o clima mais leve, a grande maioria dos jogadores volta a Europa para o período chamado Boxing Week no fim de dezembro e início de janeiro. Lá teremos uma análise mais precisa sobre a fase dos jogadores. Também temos Desábato e Braña que voltarão ao Estudiantes para finalizar esse Apertura.

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Em sua volta ao Monumental, River Plate acaba derrotado


Mesmo com imenso apoio de sua torcida e o ânimo de retornar a sua tradicional casa, o River Plate tropeçou na segunda divisão do futebol argentino. A tradicionalíssima equipe acabou sendo surpreendida pelo Atlético de Tucumán, que surpreendeu a todos, fez uma boa partida e conquistou uma grande vitória por 2 a 0.

Demonstrando maior volume de jogo no primeiro tempo da partida, o River até criou algumas boas oportunidades, mas não conseguiu transformá-las em gol. O Atlético veio muito bem postado a campo, brecou o ímpeto do seu poderoso e nos contra-ataques foi conseguindo criar suas melhores chances. Aos 13 minutos, Luis Rodríguez arrancou pela esquerda e abriu o placar dos visitantes, que contaram com uma arrancada de César Montiglio pela direita, aos 22, para ampliar a vantagem na etapa inicial, que viu os Milionários pressionarem cada vez mais.

No segundo tempo, os donos da casa voltaram com tudo para buscar o empate. Partindo com força para o ataque e marcando forte, a equipe chegou a criar diversas oportunidades, assim como impediu qualquer possibilidade de contra-golpe do Atlético. A etapa final viu essa situação até o final, com o River ficando cada vez mais desesperado, não conseguindo chegar ao gol de modo algum, definindo a grande vitória dos visitantes.

Mesmo com a derrota, o River Plate segue na liderança da B Nacional, mas, o revés mostra que a equipe não é soberana e tem muito a melhorar, além de batalhar no restante da competição...

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Argentina decepciona novamente

Monumental de Nuñez, com pouca gente, presenciou mais um fiasco da Albiceleste. Desta vez contra a temida Bolívia.Os bolivianos estavam dispostos a marcar muito e a repetir o feito da Copa América, segurar ao máximo as estrelas argentinas. E conseguiram bastante.
Messi não conseguiu resolver. Foto: AFP

Mas no começo Messi estava endiabrado e fez jogadaça, sofreu falta, mas a bola sobrou limpa para Higuaín fazer o gol, porém o árbitro não deu vantagem, anulando assim o gol da Argentina. Depois, Messi fez jogada individual e bateu, o goleiro Arias buscou. Aos 33, Pastore chutou de longe e a bola bateu no poste. Aos 35 o árbitro anula outro gol de forma atraplhada, marcou uma falta no meio da área, supostamente cometida por Gago, mas não houve essa falta.

No segundo tempo, logo de cara, Demichelis se atrapalhou, entregou a bola pra Marcelo Moreno que driblou Burdisso duas vezes e fez o 1 a 0. Na sequeência, Zabaleta perdeu grande chance, mas aos 11, Lavezzi que recém havia entrado empatou tudo, com um belo chute no canto esquerdo do goleiro. A Argentina seguiu tentando, mas não conseguiu marcar, Messi perdeu incrvelemente uma chance  e Pastore depois também perdeu.

Argentina é vice-líder das Eliminatórias com 4 pontos, mesmo número de pontos da Colômbia, próxima adversária, na terça em Barranquilla e com três pontos a menos que o líder Uruguai.

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Com emoção, Vélez passa para as semifinais


Com um retrospecto de 5 vitórias e 1 empate contra equipes colombianas em casa, o Vélez recebeu o Santa Fé com o objetivo de passar para as semifinais da Sul-Americana, a principal competição do Fortín no segundo semestre.

O Vélez começou massacrando e logo aos 7 minutos ele, o irregular, Guillermo Franco cabeceou para as redes. O que pouco se falou foi a jogada. Augusto Fernández puxou o ataque e enfiou bola no meio da defesa para David Ramírez que carimbou a travessão de Vargas e no rebote Guille estufou as redes. O ritmo permaneceu o mesmo e o resultado chegou. Aos 17 Martínez tocou de calcanhar e deixou Guille Franco livre para tirar de Vargas e ampliar.

O segundo tempo foi dominado pelo Independiente Santa Fé graças ao gol de Rodas, no primeiro minuto de jogo. O atacante tocou na saída de Barovero após dar caneta em Sebá Domínguez. Aos 22 minutos, uma ducha de água fria. Omar Pérez empatou de pênalti e chorou, pois no dia anterior havia morrido
seu avô. O Vélez passou mais 23 minutos, pois aos 45 Juan Manuel Martínez bateu pênalti e garantiu a suada classificação ao Vélez.

Agora o Fortinero segue a batalha pela Sul-Americana contra Libertad ou LDU, mas se o Arsenal passar pegará o time de Avellaneda para não termos uma possível final argentina.



Ficha da partida:
Vélez: Barovero; Cubero, Seba Domínguez, Ortiz e Papa; Augusto Fernández, Canteros e Víctor Zapata; David Ramírez; Juan Manuel Martínez e Guillermo Franco. DT: Ricardo Gareca. 


Independiente Santa Fé: Vargas; Bernal, Palma, Centurión, Roa e Acosta; Quintero, Anchico e Omar Pérez; Oscar Rodas e Jonathan Copete. DT: Wilson Gutiérrez. 

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Sabella convoca Ricky Alvarez para o lugar de Di María

Com uma leve lesão muscular na coxa esquerda, o meia Angel Di María teve que ser cortado da seleção argentina. Para substituir o jogador do Real Madrid, o técnico Alejandro Sabella convocou o jovem Ricky Alvarez, revelado pelo Vélez Sarfield e que está atualmente na Inter de Milão.

O jogador deve trabalhar normalmente e já na sexta-feira estar a disposição de Sabella para o jogo contra a Bolívia, no Monumental de Nuñez. No domingo, a equipe albiceleste enfrenta a Colômbia, fora de casa.

Messi não treina

A seleção argentina já está reúnida e treinando para os confrontos. Na atividade de hoje, Messi foi poupado por problemas estomacais e ficou fazendo um leve trabalho físico, porém, não preocupa. Durante o treino, Sabella usou Nico Gaitán no lugar do atual melhor jogador do mundo.

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Argentinos pelo Mundo #9

Nosso colunista Marcos Vieira Ribeiro decidiu desistir do jornalismo no futuro para optar por direito. Logo, nossa equipe fará um revesamento até acharmos o substituto adequado para informar o nosso leitor melhor.
Dessa vez, quem vos escreve é Leonardo Bandeira.

O Cara
O comprimento de Bielsa e Guardiola
(Foto: Olé)
Pela primeira vez na coluna não teremos jogadores ofensivos e craques, mas sim quem parou o melhor time do mundo. Marcelo Bielsa prometeu e jogou ofensivamente contra o Barcelona. Ander Herrera abriu o placar para os leões, mas 4 minutos depois Cesc Fábregas, de cabeça, deixava o placar igual novamente. Até que aos 36 o Athletic contou com a sorte. Após cruzamento a bola bateu na canela de Llorente. Até que uma bobagem e falta de comunicação na defesa do Athletic deixou Lionel Messi empatar o jogo aos 47 minutos da segunda etapa. Como empate o Barça fica na 2ª colocação com 25 pontos, já o Athletic Bilbao na 9ª com 14 pontos.

Seguindo na "La Liga"...
Dí María estava em ótima fase...
(Foto: Olé)

Dí María após dar três lindas assistências no Real 7 X 1 Osasuna desse domingo, acabou se lesionando. Dí Magía deixou o campo chorando e sua previsão de volta é em torno de 4 semanas. O Real Madrid, com esse show, é líder com 28 pontos. Já o Osasuna é 10º com 14 pontos.












No Calcio...
Germán Denis marcou novamente.
(Foto: Olé)
Germán Denis foi o destaque de tantos argentinos que atuam na terra da bota. El Tanque marcou seu sétimo tento no campeonato e já justifica a aposta de Sabella nas, até então, duas convocações para as Eliminatórias.


No mercado do Calcio o Milan sofreu a baixa com o AVC de Cassano e busca mais um goleador para substituí-lo na temporada. Maxi López é o mais cotado para a vaga. O argentino declarou: "Estou pronto para jogar no Milan". Enquanto a transferência é acertada, Maxi López permanece no Catania onde faz ótima passagem.

Andújar é o atual reserva da Albiceleste
(Foto: Olé)


Falando em Milan, o Rossonero aplicou 4 a 0 no mesmo Catania. O goleiro rossazzurrio é nada mais nada menos que Andújar, atual goleiro reserva da Seleção Argentina. Os gols do Milan foram de Ibrahimovic, Robinho, Seedorf e Zambrotta. O Rossonero está na  3ª colocação com 20 pontos, já o Catania está em sexto com 14.









No Brasil...
Nieto marcou dois de cabeça e virou para o Furacão
(Foto: Olé)
O destaque vai para o argentino que bem poderia ser "O cara" dessa coluna, o nome dele é Federico Nieto. O responsável por uma incrível virada do Furacão sobre o Dragão Goiano, marcando dois gols de cabeça, Nieto deixou a torcida atleticana em êxtase acreditando na fuga do rebaixamento. O Atlético-PR tem 34, já o Goianiense tem 42 e chances remotas de descenso.

No Flamengo X Cruzeiro, Montillo, como sempre, foi a estrela solitária celeste. Lutou, batalhou e com um cruzamento fez o Cruzeiro abrir o placar. O Flamengo voltou pressionando no segundo tempo e virou. Após esse gol, o pior para o Cruzeiro. Montillo sentiu lesão muscular e está fora por três semanas. Sem Montillo, o Cruzeiro não criou e viu ainda o Flamengo meter só mais 3, isso mesmo. Só.

Na derrota do Grêmio para o Atlético-MG, Escudero foi como Montillo. O jogador mais incisivo, mas o resto do time não colaborou. No Grêmio, Mário Fernandes foi outro que fez ótima partida, mas os outros componentes da defesa prejudicaram a equipe.

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Argentina convocada para mais duas rodadas das Eliminatórias

O irregular Desábato foi convocado


Para os jogos contra a Bolívia e Colômbia, Sabella fez alterações da lista inicial. Mesmo não assumindo, Sabella tem certa preferência por jogadores do Estudiantes. Dessa vez, o irregular Desábato foi chamado juntamente com o estressadinho Braña.


Além de Braña e Desábato, Orión e Clemente Rodríguez foram os chamados do futebol local, graças a ótima campanha do Boca nesse Apertura. Três jogadores foram cortados. Os cortes de Rinaudo e Banega já haviam sidos anunciados na semana passada. Nesse final de semana a baixa foi Dí María que após dar três asistência se machucou no 7 a 1 do Real sobre o Osasuna.


Veja a lista completa:


Goleiros:  Sergio Romero (Sampdoria/ITA), Mariano Andújar (Catania/ITA) e Agustín Orion (Boca Juniors).


Zagueiros: Nicolas Burdisso (Roma/ITA), Martín Demichelis (Málaga/ESP), Federico Fernandez (Napoli/ITA) e Leandro Desábato (Estudiantes).


Laterais: Luciano Mónzon (Nice/FRA), Pablo Zabaleta (Manchester City/ING), Marcos Rojo (Spartak Moscou/RUS) e Clemente Rodriguez (Boca Juniors).


Meias: Jose Sosa (Metalist/UCR), Javier Pastore (PSG/FRA), Nicolas Gaítan (Benfica/POR), Pablo Guiñazú (Internacional/BRA), Javier Mascherano (Barcelona/ESP), Rodrigo Braña (Estudiantes) e Fernando Gago (Roma/ITA).


Atacantes: Lionel Messi (Barcelona/ESP), Gonzalo Higuaín (Real Madrid/ESP), Ezequiel Lavezzi (Napoli/ITA), Sergio Agüero (Manchester City/ING) e Germán Denis (Atalanta/ITA).